Encontro sobre Diversidade Humana promove debates entre alunos

Temas como bissexualidade e movimento negro foram destaque no terceiro dia de evento

 

O campus Tijuca da Universidade Veiga de Almeida recebeu durante a semana passada (12 a 16/8) o III Encontro da Diversidade Humana, promovido por alunos do curso de Relações Internacionais. O evento, aberto a estudantes de qualquer graduação, contou com palestras, debates, exposições e atividades interativas. O tema desse ano foi “Gênero, Sexualidade, Raça e Etnia” e teve a participação de representantes de movimentos indígenas, LGBTQI+, feministas e negros. 

 

Para uma das organizadoras, Fernanda Mello — que também atua na Frente Feminista de R.I da UVA —, o evento promove o conhecimento e esclarece temas atuais para a sociedade. “O Encontro da Diversidade Humana durava apenas três dias e tinha uma mesa por dia. Dessa vez, conseguimos estender para uma semana inteira, com debates ainda mais consistentes e necessários. É um evento de resistência, principalmente no cenário sociopolítico atual”, concluiu.

 

O UVA EM FOCO esteve presente no terceiro dia de encontro. Nele, aconteceu uma roda de conversa sobre bissexualidade e aceitação, mediada pela estudante de psicologia da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), Ana Beatriz Sant’Anna, e por Sofia Castro, que cursa ciências sociais na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). O grupo foi composto por alunos de dentro e fora da instituição, que discutiram panssexualidade e gêneros não-binários. “O que chamou a nossa atenção foi o fato de que ninguém tinha participado de uma roda assim, um espaço de discussão para questões bissexuais, que são diferentes de outras questões LGBTQI+”, afirmou Sofia. 

 

No mesmo dia, os participantes puderam assistir a um debate sobre racismo institucional, que tratou de temas como a presença de negros na sociedade e consequências da escravidão no Brasil para a perpetuação de desigualdades socioeconômicas. Militantes de coletivos negros abordaram a questão a partir de uma análise psicológica e geográfica. A estudante de Relações Internacionais da Universidade Veiga de Almeida, Camila Santos, ressalta o valor das minorias e o seu papel nas universidades. “No Brasil, cursar uma faculdade ainda é um luxo. Muitos desses estudantes entram e se deparam com situações e pessoas que vivem em condições sociais distintas e essas discussões são uma forma de resgatar a identidade e acolher esses alunos, que se sentem representados dentro da universidade”.

 

Por João Henrique Oliveira, 6º período, e Luiza Almeida, 5º 

 

período.

Seminário Alcoólicos Anônimos promove debate sobre conscientização e recuperação

Campus Tijuca recebeu médicos e psiquiatras especialistas no assunto

 

Na última quinta-feira (08/08), a Universidade Veiga de Almeida (UVA) recebeu no campus Tijuca o Seminário de Alcoólicos Anônimos (A.A.) para Profissionais do Rio de Janeiro. O evento contou com palestras de médicos e psiquiatras que debateram sobre a importância da ajuda mútua na recuperação do alcoólico, o consumo de
álcool sem moderação e a reabilitação do usuário nos ambientes social e familiar. O objetivo foi aumentar a conscientização sobre como tratar o alcoolismo e cerca de 170 pessoas compareceram ao evento.

O organizador do evento, V.*, que faz parte do A.A. há 35 anos, afirma que a sociedade ainda tem dificuldade para aceitar o alcoólico como doente, mesmo com a classificação da Organização Mundial de Saúde (OMS). “Uma pessoa bêbada é portadora de uma doença, que não tem defesas emocionais para se recuperar sem
auxílio”, diz.

Para a associação, é essencial que os seminários possam acontecer em espaços como a universidade para que o trabalho desenvolvido tenha o maior alcance possível. Além disso, a proposta do evento é ajudar pessoas que ainda não entendem como os alcoólicos anônimos trabalham na recuperação. “A gente agradece muito à UVA por
ter cedido o espaço, para que possamos, a partir de informação, ajudar as pessoas que precisem de direcionamento ou apoio para tratamento”, concluiu V*.

*Os nomes foram censurados para preservar a identidade dos membros do grupo de Alcoólicos Anônimos.

SERVIÇO:
O grupo de Alcoólicos Anônimos possui uma linha de ajuda por telefone (2253-3377)
e funciona de 9h às 18h na Avenida Presidente Vargas, 542- sala 1201.

Por Luiza Almeida, 5º período

Comunicação Corporativa 4.0 abordará evolução na comunicação 

Curso acontecerá no Campus Tijuca

 

O campus Tijuca da Universidade Veiga de Almeida recebe nos próximos dois sábados (24 e 31/8) o curso de extensão Comunicação Corporativa 4.0, com a jornalista e especialista Renata Busch Pontes. O curso é voltado para a capacitação de alunos de graduação e atualização de profissionais sobre tendências e práticas de comunicação corporativa, incluindo o uso de prêmios e cases como parte da estratégia.

Vou abordar a evolução do marketing e da comunicação corporativa, além dos desafios com os quais os profissionais dessa área precisam saber lidar. Saber explorar os canais adequados para executar um sólido plano de comunicação e desenvolver um bom relacionamento com a mídia e influenciadores não terá muito sentido sem mensuração de resultados que reflita todo o esforço empregado, por exemplo”, explica Renata. Ela diz que dentre o programa do curso também serão abordadas as premiações e reconhecimentos, que fazem parte do setor

“O aluno aprenderá as etapas do processo de comunicação corporativa 4.0. Quero que os participantes tenham em mente o início, o meio e o fim de cada atividade, desde a concepção, passando pela execução e mensuração, até o compartilhamento, que pode ser a produção de uma apresentação para grupos (internos ou externos), ou até mesmo a inscrição em um prêmio”, conclui. 

A carga horária será a mesma dos demais cursos da Casa da Comunicação: 10 horas-aula, divididas em dois sábados, 24/08 e 31/08, das 13 às 18h. As inscrições já estão abertas e vão até o dia 20/08. Alunos da UVA têm 10% de desconto se fizerem a matrícula presencialmente, na Central de Admissão. Alunos de outras instituições de ensino também podem se inscrever. O valor é de R$ 150,00 e as turmas deverão ter no mínimo 10 inscritos para serem disponibilizadas. 

Matrícula on-line e mais informações sobre esse e outros cursos oferecidos pela Casa da Comunicação estão disponíveis no site: https://www.uva.br/tipos-de-programa/extensao 

Por João Henrique Oliveira, 6º período

Sabe para que serve e como usar a Lei de Acesso à Informação?

Curso de extensão da Casa de Comunicação vai abordar técnicas

 

O curso de extensão Lei de Acesso à Informação vai começar no dia 24/08, ministrado por Giampaolo Braga, jornalista e especialista em Políticas Públicas. O objetivo é capacitar os alunos com técnicas e instrumentos para a obtenção de dados públicos usando a Lei de Acesso à Informação (LAI), direito que todo cidadão tem, jornalista ou não, de obter acesso a dados do Estado. Podem se inscrever estudantes de graduação, pós-graduação e profissionais da área que queiram se atualizar ou saber mais sobre o assunto.

A LAI é uma ferramenta de grande importância para o jornalista obter de maneira simples e lícita informações do Estado. Giampaolo explica que o curso vai mostrar para o profissional a melhor maneira de usá-la e como trabalhar a partir das informações obtidas. Para o estudante, é um diferencial no mercado de trabalho. “O aprendizado no uso da LAI é um treino para a principal habilidade que um jornalista deve ter: saber o quê e como perguntar”, diz. Isto porque, segundo explica, conseguir os dados do governo não é uma ciência exata e somente com a prática se descobrem as características de cada órgão ou instituição. “Aprender a usar a LAI é a garantia de ter na mão pautas diferenciadas e dados exclusivos”, finaliza.

O curso acontecerá em dois sábados, 24/08 e 31/08, das 8h às 13h, no campus Tijuca, com o total de 10 horas-aula. O valor é de R$150,00 à vista. Alunos de outras instituições e profissionais podem se inscrever. Para alunos da Veiga, há a possibilidade de 10% de desconto se a inscrição for realizada presencialmente, na Central de Admissão. As turmas deverão ter no mínimo 10 inscritos. Mais informações e inscrições on-line estão disponíveis em https://www.uva.br/tipos-de-programa/extensao 

Por Carolina Gabri, 8º período

Cursos de extensão da Casa da Comunicação começam dia 17/08

Produção Cultural é o primeiro dos cursos confirmados para acontecer no campus Tijuca até dezembro

 

Os bacharelados de Jornalismo e Publicidade e Propaganda criaram – em parceria com profissionais experientes e de destaque em suas áreas – cursos pensados para ampliar os horizontes da formação de quem ainda está cursando a universidade, e também daqueles recém-formados, enriquecendo seus currículos. Alunos de outras universidades podem se inscrever, bem como profissionais recém-formados, ou em busca de atualização. 

No dia 17 de agosto, começa o primeiro: Produção Cultural, com a mestre em Desenvolvimento Local, Cláudia Santos, de 8h às 13h. O curso é voltado para os estudantes de graduação, pós-graduação e para profissionais que desejam conhecer ou potencializar os conhecimentos na área. Para Cláudia, as aulas vão proporcionar a sensibilidade de entender melhor o mercado de eventos no Brasil, saber como funciona o marketing cultural, a gestão cultural, as leis de incentivo e as políticas de patrocínio. “Profissionais e estudantes precisam entender a importância do produto cultural para o mundo, para o mercado, para as pessoas e para o desenvolvimento cultural de um país”.

Por ser um mercado restrito, a qualificação é importante, além de ser uma oportunidade para networking e troca de experiências. “Estamos em um país que tem pouco investimento para a cultura, então é preciso usar muito a criatividade”, comenta. 

Todos os cursos possuem carga horária de dez horas-aula, divididas em dois dias, com valor de R$ 150,00 e turmas com, no mínimo, 10 inscritos. As inscrições estão abertas em https://www.uva.br/tipos-de-programa/extensao e alunos da UVA têm 10% de desconto se fizerem a matrícula presencialmente, na Central de Admissão. 

[ATUALIZAÇÃO – 05/08/2019 – 15:07]: O curso de extensão ‘Produção Cultural’, com a profissional Cláudia Santos, foi adiado em uma semana (as aulas serão nos dias 17 e 24/8, no mesmo horário) e o de ‘Cobertura de Cidade – Polícia e Justiça’, com o Bruno Alfano, foi cancelado.

SERVIÇO:

Produção Cultural

17 e 24/8, das 8 às 13h

R$ 150,00

Alunos da UVA têm 10% de desconto se fizerem a matrícula presencialmente, na Central de Admissão.

 

Mais informações: https://www.uva.br/tipos-de-programa/extensao

Por Carolina Gabri, 8º período e João Henrique Oliveira, 6º período

Estudante de Publicidade na Bienal do Livro 2019

Livro de Fantasia escrito pelo próprio aluno da UVA é tema de TCC e deve ser publicado durante o evento

 

O estudante de Publicidade da Universidade Veiga de Almeida (UVA) Bruno Gauvain vai lançar seu livro, Lunae Manifestum, de forma independente na Bienal do Livro de 2019. O evento acontecerá do dia 30 de agosto até 8 de setembro, no Riocentro. O livro se passa no continente pós-apocalíptico de Aleania – o que restou da civilização americana no universo dos livros – e envolve elementos como misticismo, suspense e bruxaria. 

O estudante do 8º período conta que o projeto de TCC que deu origem à publicação foi dividido em duas partes, e que uma delas foi um trabalho de marketing baseado no livro que será lançado. “A primeira parte é um estudo sobre técnicas de storytelling, com os conceitos de narrativa do ponto de vista social e mercadológico. A segunda é o planejamento estratégico de marketing do meu livro, o produto final do meu TCC, que tem design thinking e UX design como base de implementação para o mercado”, explica.  

Apesar de escrever desde os 15 anos, Bruno não se via como autor até estar prestes a publicar seu primeiro trabalho, que foi motivado pelo desejo de colocar “para fora” os traumas da infância e adolescência. Aos 18 anos, ele conta que já tinha centenas de páginas prontas e uma possível série de quatro volumes em andamento. “Hoje, consigo me enxergar como autor, e acredito que os profissionais qualificados com os quais tive aula foram imprescindíveis para despertar em mim a paixão pela criatividade e escrita”, diz. 

Para Michele Cruz, professora orientadora do projeto, a participação em eventos como a Bienal é muito importante para o aluno profissionalizar os projetos feitos na universidade. “O Bruno é um exemplo de como um aluno pode aproveitar as oportunidades que as disciplinas possibilitam desenvolver. Ele tem um talento tanto para a escrita quanto para a ficção e está realizando o sonho de ser escritor”, conclui. 

Por João Henrique de Oliveira, 5º período

Estudantes de Comunicação da UVA são destaque na Expocom

O evento contou com a presença de 10 alunos da universidade e aconteceu em Vitória-ES

A edição deste ano da Exposição de Pesquisa Experimental em Comunicação (Expocom), que aconteceu durante o XXIV Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sudeste, no dia 3 de junho, na Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), em Vitória-ES, contou com a presença de dez alunos de Comunicação da UVA. O  evento é exclusivo para a apresentação de trabalhos produzidos por estudantes no campo da Comunicação e é promovido todos os anos pela Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação (Intercom). 

 

Os estudantes de Publicidade Vinícius Gouvêa, Victor Paixão e Christine Thomson, foram alguns dos representantes do campus Tijuca, concorrendo em categorias como Fotojornalismo (Vinícius) e Fotografia Aplicada (Victor e Christine). Para Altayr DeRossi, orientador de Vinícius e professor da UVA, a chance de participar de um evento como a Expocom é muito importante para dar visibilidade para o trabalho do estudante e para a Universidade. “É uma experiência de grande valor cultural e também de incentivo para outros alunos participarem de congressos,  que enriquecem o currículo ao promover o intercâmbio de ideias e conhecimentos. Essa troca que o estudante adquire é o principal legado de eventos como esse”, afirma.

O projeto de Victor e Christine foi orientado pelo professor Evângelo Gasos e teve como tema a representatividade do calçado All-Star, da marca Converse. “Nossa ideia era passar que esse tênis pode ser usado por qualquer pessoa, e em qualquer ocasião. A ideia era trazer a representatividade para os mais diversos estilos. A gente queria que as pessoas olhassem e se sentissem representadas no trabalho”, conta Christine. 

 

Tanto esforço valeu a premiação na categoria que eles disputaram. “Foi muito emocionante o reconhecimento depois de tantas dificuldades que enfrentamos até chegarmos ao congresso. Esse prêmio é muito especial para gente”, afirma Victor, um dos autores do projeto vencedor. Para o reitor da UVA, Carlos Eduardo Nunes-Ferreira, o prêmio é motivo de orgulho para a universidade. “O reconhecimento confirma o projeto pedagógico institucional, em que ensino, pesquisa e extensão são indissociáveis”.

 

Para o estudante Vinícius Gouvêa, a ideia de participar da exposição partiu do professor Altayr. “Ao ver as fotos de do meu projeto, ele enxergou potencial no meu trabalho e comentou sobre o evento. Ao ser selecionado, fiquei assustado, pois não pensava que seria escolhido. A ficha não caiu até agora!”, lembra Vinícius. O projeto ‘O oceano de Mayra’ retrata um ensaio de 15 anos para uma jovem negra e com Síndrome de Down e foi realizado na praia, local favorito da jovem. “O que mais me chamou atenção no trabalho foi a qualidade das fotos e também o apelo social do projeto”, conclui Altayr. 

O sucesso das fotos chegou até mesmo a render uma publicação no site da revista Vogue da Itália, uma das maiores publicações sobre moda no mundo. “Isso é muito importante, uma menina negra e portadora de Síndrome de Down, totalmente fora dos padrões de beleza, chegar até o site da Vogue, uma publicação europeia. Foi uma conquista muito grande para ela e a família, pois ninguém esperava”, afirma Vinícius. 

 

Para o professor Cristiano Bertolossi, coordenador do projeto de iniciação científica da universidade, o PIC UVA, a participação de alunos em congressos como a Expocom possibilita um maior contato com projetos de outras pessoas. “Esse tipo de evento possibilita aos participantes um amadurecimento acadêmico e profissional singular. É um momento ímpar para conhecer novas pesquisas e pesquisadores de outras instituições de ensino e planejar trocas de experiências. O PIC UVA tem por objetivo fomentar a elaboração de pesquisa na graduação realizada pelo próprio aluno. Isso também possibilita a apropriação do egresso sobre as temáticas da sua profissão e sobre o assunto que poderá abordar no Trabalho de Conclusão de Curso”.

 

Por João Henrique Oliveira, 5º período

Evento de Comunicação promove interação entre alunos de diferentes cursos na UVA

A quinta edição do evento O amor está no ar teve como tema o amor à profissão

 

O bosque do campus Tijuca da Universidade Veiga de Almeida recebeu na manhã da última terça-feira (28) a quinta edição do evento ‘O amor está no ar’, promovido pela professora da comunicação, Luciene Aragon, e os alunos da turma da disciplina Laboratório de Inovação Profissional, do primeiro período. Eles realizaram uma série de dinâmicas e jogos interativos para abordar o tema dessa edição: amor à profissão.

 

Já para Lucas Ferreira, estudante de Letras, o evento permitiu o contato entre estudantes de diferentes cursos. “Eu achei muito interessante pois pude interagir com pessoas de outras graduações e isso é muito bom para a faculdade, pois aproxima os estudantes. É importante se relacionar com as pessoas, expor as ideias e o assunto que você está abordando”, conta. 

 

Os alunos interagiram por meio de desenhos, jogos e experiências sensoriais, além de dinâmicas com palavras e músicas. “Esse evento possibilita que os alunos coloquem em prática toda a parte teórica sobre a importância de habilidades como liderança, espírito de equipe e falar em público. O tema dessa edição surgiu da necessidade de ter amor por aquilo que fazemos, a nossa profissão. Quando você ama o que faz, tem uma capacidade muito maior de criar novas oportunidades”, finaliza a professora Luciene Aragon.

 

Por João Henrique Oliveira, 5º período

 

Campus Tijuca da UVA recebe a Semana da Comunicação

A 15ª edição do evento teve como tema os 50 anos da ida do homem à Lua

Dos dias 20 a 23 de maio, o campus Tijuca da Universidade Veiga de Almeida (UVA) recebeu a 15ª edição da Semana de Comunicação (Secom), organizada pelos alunos dos cursos de Jornalismo e Publicidade e pela professora Ana Cristina Rosado. O tema desta edição foi “Do homem na lua ao carro no espaço”. Os alunos de puderam assistir palestras e participar de oficinas com profissionais reconhecidos pelo mercado, além de concorrerem a brindes.

Uma das novidades foi o anúncio do projeto de Mentoria para os cursos. O objetivo é oferecer suporte, orientações e assistência sobre o curso e a profissão para os alunos. Para isso, foram anunciados pelos coordenadores de publicidade e jornalismo, Ediana Avelar e Luís Carlos Bittencourt, o Bitt, dois mentores sênior e dois mentores júnior.

No primeiro dia da Secom, os palestrantes debateram o tema “Realidade aumentada e inteligência virtual”, que contou com a presença de André Ladeira (sócio-diretor GeoConhecimento Empreendimentos e coordenador acadêmico da UVA), André Sih (sócio-diretor Fu2re), Flávio Mayerhofer (CEO Macchiato Inovação) e Paulo Cesar Rodrigues (astrônomo do Planetário Rio). A moderadora do debate foi a professora Adriane Figueirola.

Já o segundo dia, na parte da manhã, o tema foi “Rádio e Internet”. Nomes como Beto Estrada (apresentador do podcast “Matando o Robô Gigante”), Júlio Lubianco (mentor do BRIO) e Gustavo Sleman (repórter da Band News FM e colunista) estiveram presentes no debate, ministrado pela professora de Radiojornalismo Mônica Nunes.  Eles falaram sobre como o mercado de rádio vem se modificando com o avanço da Internet, a popularização dos podcasts os desafios das mídias tradicionais para adaptarem o seu conteúdo para esse formato.

A noite do segundo dia foi dedicada aos  “Avanços da tecnologia como construção da sociedade”. A professora Diana Damasceno mediou o debate entre Luciana Barreto (apresentadora da TV Brasil), que falou sobre os discursos de ódio contra os negros na Internet, Victor Azevedo (especialista em negócios digitais), que trouxe a relação do indivíduo com a tecnologia, e Priscilla Lusie (cientista de dados da GloboPlay), que explicou o funcionamento da plataforma para atingir o maior número de público possível. 

A manhã de quarta-feira, terceiro dia do evento, tratou de um tema bastante em alta nos últimos anos: empoderamento feminino. A palestra “Mulheres Digitais” teve a participação de Camila Paula (coordenadora de Marketing de Conteúdo Descomplica) e Carla Knoplech (diretora da Forrest), além da moderadora, Natália Pacheco, coordenadora de comunicação institucional da UVA. 

A noite do terceiro de evento foi reservada para as oficinas de Marketing Digital, com Pedro Lyra (ex-aluno do curso de Publicidade da UVA e diretor de arte na Agência 3), e Jornalismo de Dados, com Luís Guilherme Julião (analista de inteligência de mercado da Globosat), que ministrou recentemente curso de extensão sobre o tema na universidade. 

A manhã de quinta-feira também foi de oficinas, com a presença da equipe RedBone da UVA, representados pelo professor de Engenharia da Computação, Thiago Gabriel, e pelos alunos Ramon Perez e Luiza Basso. Eles falaram sobre a utilização de drones na produção audiovisual, além de explicarem o seu funcionamento. A segunda oficina abordou cobertura em tempo real, com a diretora de contas da ArtPlan, Ana Deccache, que mostrou um dos cases de maior sucesso da agência: a divulgação da marca e do evento Rock in Rio.

A última palestra da Secom foi sobre Cultura Geek: diversidade na Tecnologia. Carol Crespo (digital influencer e dubladora da personagem da atriz Emilia Clarke, de Game of Thrones, entre dezenas), Daniel Orlan (sócio-fundador da Miles Stone e Affero), Eduardo Miranda (criador de conteúdo) e Mateus Nitzche (produtor de linha na Combo Estúdios) foram os convidados. A palestra foi mediada pela professora Cecília Seabra.

O evento terminou com um desfile de cosplay e teve como premiação para 1º lugar um vale de R$ 500,00 em tatuagem pela Arte na Pele e um voucher do Outback. O 2º lugar ganhou uma cesta de café da manhã e um ensaio fotográfico e o 3º lugar ficou com um par de ingressos Kinoplex Cinemas e um voucher da Parmê. 

Para a professora Ana Cristina, esse tema deu a oportunidade de mostrar para os alunos as modernidades na área da comunicação. “Nosso objetivo é mostrar para os estudantes uma percepção sobre o futuro e como eles devem se preparar para isso, através dos melhores profissionais”.

Por Carolina Gabri, 7º período e João Henrique Oliveira, 5º período

Evento de Psicologia defende o tratamento humanizado

O campus Tijuca da Universidade Veiga de Almeida recebe a 15ª edição da Luta Antimanicomial

 

Na última sexta-feira (24/05), aconteceu no campus Tijuca da Universidade Veiga de Almeida (UVA) a 15ª Luta Antimanicomial, um evento do curso de Psicologia, que contou com a presença de psicanalistas em palestras, conferências, além da exibição e debate sobre o filme baseado no livro “O retrato do artista quando jovem”. O objetivo foi chamar a atenção das pessoas sobre a luta contra o tratamento de pessoas que sofrem de transtornos mentais em manicômios em detrimento a uma reabilitação mais humanizada em clínicas psicossociais.

 

Para Beatriz Monteiro, aluna do curso de Psicologia, o evento foi muito importante, pois além do contato com profissionais renomados, permitiu dar voz à luta contra os manicômios. “Nós combatemos a ideia de que se deve isolar a pessoa que precisa de tratamento. O nosso lema é não prender, e sim tratar. Nós tratamos com liberdade, em conjunto com as clínicas de atenção psicossocial (CAPS), para ressocializar aqueles que precisam”, diz.

 

A professora responsável pelo evento, Aline Drummond, ressalta a importância dessa prática para os alunos. “Estamos trabalhando na formação de futuros psicólogos – profissionais da área de saúde mental – e essa luta traz o debate sobre temas importantes como as formas de tratamento da loucura, as diferentes formas de terapia existentes hoje e as instituições que substituem a internação”, afirma.

 

O evento é importante não somente para os estudantes, mas também para os artistas do Atelier Gaia, que expuseram seus trabalhos no pátio do piso preto. O ateliê é formado ex-pacientes do serviço de saúde mental da Colônia Juliano Moreira, que é integrada ao Museu Bispo do Rosário Arte Contemporânea. O museu incentiva a produção desses artistas como forma de obterem renda através da arte. “O movimento antimanicomial é muito forte na Veiga e estamos entre as instituições mais engajadas nesse sentido, com a 15ª edição do evento, fundamental para a formação acadêmica e humana dos nossos alunos, além da interlocução de projetos de apoio a essas pessoas, como o Gaia, neste ano”, finaliza professora Aline.

Por João Henrique Oliveira, 5º período