PÉROLAS NEGRAS

Atletas sírios do time Pérolas Negras passam por avaliações no Centro de Saúde Veiga de Almeida

Em continuidade à parceria da UVA com a ONG Viva Rio, os novos atletas sírios do time Pérolas Negras fizeram uma visita ao Cento de Saúde Veiga de Almeida (CSVA), onde puderam realizar uma avaliação de pré-temporada, com eletrocardiograma, panorâmica dental, avaliação nutrológica e avaliação dental.

A união entre a UVA e a ONG Viva Rio começou em 2017 e continua rendendo bons frutos. Além de cursos de capacitação para os atletas refugiados, a universidade também disponibilizou avaliações no CSVA. Esse tipo de avaliação é feita assim que chegam ao time. “Eles fazem uma avaliação abrangente e depois vão fazendo avaliações periódicas, de acordo com o que preconiza a nossa área médica”, afirma Paula Mello, Coordenadora de Educação do time Pérolas Negras.

Os atletas vieram para o Brasil após viverem no campo de refugiados Zaatari, localizado na Jordânia. Ahmad Anjari, Qais Al Damen, Omar Al Deiri e Hafeth Mahmoud Mohammad, foram escolhidos através de um processo rigoroso que selecionou apenas quatro, dentre 100 participantes.

Os jogadores, por terem chegado há pouco tempo em nosso país, não aprenderam português, mas com a ajuda de Hashem Sabbagh, responsável pelo projeto no Oriente Médio, que traduziu da língua árabe para o inglês, Ahmad Anjari, 17 anos, contou que está se sentindo muito feliz por estar aqui e que está sendo mimado pelos brasileiros.

No Centro de Saúde, os jogadores foram atendidos com muito carinho. O Professor de Odontologia Carlos Alexandre Vieira, que também já realizou a avaliação em outros jogadores do time, não escondeu a alegria. “É sempre uma satisfação receber essas pessoas fantástica do Pérolas Negras. ”

A avaliação nutricional foi feita pela Nutricionista Glaucia Justo, Professora e Preceptora do CSVA, e suas alunas, que puderam viver a experiência única de atender em outra língua e vivenciar uma experiência interdisciplinar. “Além delas terem que ser nutricionistas em outra língua e atender pessoas que saíram de seus países em busca de uma vida melhor, elas também conseguem ver o cuidado integral do atleta, já que eles passaram por várias áreas do CSVA. ”

Beatriz Guazzi, 6º período de Nutrição, e uma das estudantes que tiveram a chance de atender os jogadores sírios, certificou as palavras da Professora Glaucia: “Foi muito bom porque eu fui pega de surpresa e foi como uma prova! Foi uma experiência que eu nunca vou esquecer! ”

A parceria entre a UVA e a ONG Viva Rio permite uma troca de ideias e costumes entre os jogadores de diferentes nacionalidades, e também com os estudantes que ajudam no projeto. Que essa união ainda possa resultar em experiências incríveis para todos os atletas e alunos da universidade!

Este slideshow necessita de JavaScript.

Camilla Lemos, estagiária de jornalismo, Universidade Veiga de Almeida, campus Tijuca.

 

 

Parceria entre UVA e Viva Rio leva mais uma oficina de capacitação aos atletas do Pérolas Negras

Dando continuidade à parceria feita pela Universidade Veiga de Almeida com a ONG Viva Rio, alunos de jornalismo e publicidade foram ao Campo de Treinamento do time Pérolas Negras, em Paty de Alferes, para mais um curso de capacitação aos atletas refugiados.

A oficina oferecida do dia 20 de abril foi de Photoshop, guiada por Fábio Eduardo e Glaucilene Vieira, 7º e 8º período de Publicidade e Karine Santos, 7º período de Jornalismo. Os jogadores puderam aprender um pouco sobre manipulação e edição de imagens, além de receberem algumas dicas de redes sociais, como por exemplo o uso do Instagram para publicação de fotos.

O atleta Marlon Gabriel dos Santos, 19 anos, afirma gostar muito dos cursos dados pela UVA e acredita que isso possa ajudar muito na sua vida profissional fora do gramado. “O tempo que passamos aprendendo essas ferramentas é bem gasto. Vai ser muito bom pra gente ter outra opção além do futebol.”.

Os benefícios dessa parceria não são apenas para os refugiados! Paula Mello, Coordenadora da Educação do time Pérolas Negras, considera que há uma troca entre a vontade de aprender dos atletas e a curiosidade dos alunos, além de ser uma ótima ocasião para eles treinarem seus conhecimentos adquiridos na faculdade. “A realidade é diferente de uma sala de aula, acontecem imprevistos e o estudante precisa aprender a lidar com isso.”.

Karine Santos, que já participou de outros projetos acadêmicos, teve a chance de ser monitora pela primeira vez! Para ela, foi uma experiência incrível e diferente, onde pode compartilhar um pouco do que sabe com os jogadores e ver a dedicação deles para aprender coisas novas. Para a estudante, essa oportunidade contribuiu de maneira positiva em sua vida. “Me fez aprender bastante e querer participar de mais oficinas como essa, além de acrescentar muito no meu currículo!”.

Ansiosos e pensando nos próximos cursos, os atletas que se preparem, pois ainda vem muito mais por aí! A próxima já está prevista para acontecer mês que vem, com o tema Edição de Vídeo. Percebeu que esse projeto traz muito além da experiência prática para os alunos, né?! Ele promove também o conhecimento de outras culturas e desenvolve a empatia dos estudantes. Essa parceria entre UVA e a ONG Viva Rio ainda vai longe! #PartiuPérolasNegras

Este slideshow necessita de JavaScript.

Laboratório de Comunicação Interna, Camilla Lemos, 7º período do curso de Jornalismo, Universidade Veiga de Almeida, campus Tijuca.