Alunos de Publicidade realizam projeto para ajudar ONGs

Os alunos da disciplina Agência Experimental do curso de Publicidade receberam na terça-feira (19) representantes de sete ONGs que participarão do projeto final da matéria. O encontro teve como objetivo levantar informações sobre as organizações, ajudando, assim, na criação do plano de comunicação. As ONGs participantes desse ano são: Busina Social, Abrigo João Rosa, Reame, CADI, CAARP, SOZED e a Casa Jovem Júnior.

O projeto começou em 2009, coordenado pelo professor Oswaldo Senna, e desde então o resultado final tem sido bom para todos os envolvidos. “Procuro ONGs que necessitam de apoio na sua comunicação. São organizações pequenas que passam por vários tipos de necessidades e, na comunicação, nós podemos ajudar”, comentou o professor. Para Oswaldo, é um trabalho gratificante, pois ajuda as ONGs e elas ficam satisfeitas com o resultado e os alunos mostram a que vieram.

A aluna Juliana Cardoso, do 7º período, está com uma expectativa muito boa para o resultado final deste projeto. “Por se tratar de ONGs, a maioria tem uma deficiência em administração e comunicação, então iremos tentar mudar um pouco isso. Pretendemos conseguir mais voluntários, professores e psicólogos”. O grupo de Juliana ficou com a ONG Casa Jovem Júnior e, para a realização do trabalho, eles puderam conheceram um pouco mais da história da organização, os desejos da Casa Jovem e as pretensões futuras.

São 11 grupos criando, até Junho, um plano de comunicação para as ONGs. Algumas são atendidas por dois grupos – cada uma apresenta sua campanha e trabalha separadamente em torno do mesmo cliente, e outras são atendidas apenas por um grupo. Os alunos contam com o suporte do professor durante todo o projeto. “Tenho que verificar tudo, resolver conflitos quando surgem e orientar a gestão interna deles, comportamento, atitudes, comprometimento etc”.

O projeto ajuda tanto as ONGs como os alunos, proporcionando a aplicação dos conhecimentos adquiridos em sala de aula em um cliente real e ampliando a visão dos alunos em relação a diversos problemas sociais que tentam ser minimizados pelos trabalhos desenvolvidos por estas organizações.

 

   

 

Carolina Gabri, 7º período

Foco na diversidade

III Semana de Biologia trará programação interdisciplinar para o campus Tijuca

Entre os dias 25 e 29 de março, os alunos do curso de Ciências Biológicas da Universidade Veiga de Almeida – UVA promoverão diversas atividades com temas da área científica complementares aos abordados em sala de aula. O evento é aberto à participação de alunos, professores e visitantes da UVA e de outras instituições, que poderão não só interagir, mas também participar da programação de palestras e minicursos.

Faltando pouco para o início das exposições, a veterana Thaísa Rodrigues, do 7º período, que participa pela segunda vez da organização, revela os pontos de superação do projeto. “Nós voltamos com tudo, aprendemos com os erros e com isso crescemos muito! Melhoramos para atender o público do evento”. As melhorias e novidades para recepção dos visitantes na terceira edição aumentam as expectativas da comissão organizadora. Para estudante Larissa Pitombeira, também do 7º período, a mudança no preparo é um ponto fundamental. “A evolução do evento é evidente e os temas, fantásticos”, declara empolgada com a programação.

Os conteúdos ministrados estão relacionados com o cenário global e ao mundo da ciência, eixo que enriquece o currículo, especialmente se os alunos apresentarem trabalhos e interagirem nas dinâmicas com práticas sustentáveis. “Vamos incentivar a sustentabilidade para rotina de cada participante”, menciona a organizadora Ana Carolina, para explicar o não uso de materiais plásticos, os crachás de papel e o estímulo à reciclagem.

Para Cristiane Fiori, coordenadora do curso de Ciências Biológicas, a semana tem ligação com as outras graduações. “A intenção é trazer para discussão assuntos sobre inovação, mudanças climáticas, saúde, entre outros”. A professora ressalta que o evento não está voltado  apenas para os alunos da Biologia. “Esse evento apresentará pontos de interdisciplinaridades e multidisciplinaridade de várias áreas do conhecimento”. Para saber mais sobre a programação, acesse: https://www.uva.br/content/iii-semana-de-biologia

 

 

Karina Figueiredo, 6º período

Abertas as inscrições para os projetos de Jornalismo

Estão abertas as inscrições para prática nos projetos de Jornalismo em 2019.1. O formulário está na página do JOTA UVA no Facebook ou neste link e deve ser preenchido em duas vias e entregue uma na Casa da Comunicação (Casa 10, na Vila), outro para o professor responsável pelo projeto. Dentre eles, há vagas para o UVA em Foco e JOTA UVA, veículos da Agência de Comunicação Institucional (então Laboratório de Comunicação Interna), Rádio UVA, TV UVA, Agência UVA e NFoto.

Rádio UVA: 1 ano de existência

O primeiro aniversário da Rádio UVA bombou no campus Tijuca! O dia 7 de novembro foi marcado com apresentações do Grupo Cachambronx e Banda Manto, além de uma palestra com o jornalista Genilson Araújo, repórter da TV Globo

Genilson contou sobre seus 30 anos de profissão, como surgiu o interesse por entrar no mundo do Jornalismo, através da fotografia, de sua passagem como repórter aéreo pela CBN, até chegar ao posto que ocupa hoje em dia, jornalista da TV Globo.

“Um dia eu estava sentado na cadeira, como aluno, ouvindo profissionais da área. Então, hoje, eu tento ser o mais didático possível e mostrar que o Jornalismo é uma carreira legal, que acrescenta muito à sociedade. É uma profissão que te deixa sempre bem informado, adquire-se muito conhecimento”, afirmou o jornalista.

Para Ulisses Oliveira, estudante de Jornalismo do 8° período e estagiário da Rádio UVA, a existência de uma rádio universitária é essencial para que os alunos tenham contato mais próximo com esse meio. “Muitos acham que a rádio está caindo em desuso, o que não é verdade, sem falar que é uma forma de abrir a mente dos estudantes, mostrando uma possibilidade para se inserir no mercado de trabalho. Fazer parte deste projeto é gratificante”, contou.

A Rádio UVA traz informes sobre tudo que está acontecendo dentro da Universidade Veiga de Almeida e fora dela também. Pra ficar ligado é só acessar ao perfil do Facebook da Rádio e aproveitar.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Laboratório de Comunicação Interna, Jonathan Assumpção, 7º período do curso de Jornalismo, Universidade Veiga de Almeida, campus Tijuca.

Vênus em UVA discute temas astrológicos e faz sucesso com público universitário

Cheio de energias boas, conversas místicas e empolgantes, produtos exclusivos à venda e até tatuadores convidados, o Vênus em UVA trouxe, na quinta-feira (01), um universo único para o campus Tijuca. Alunos da disciplina Prática de Eventos 2018.2 se organizaram e fizeram a viagem astrológica acontecer. O processo contou com a supervisão da professora Cristiane Rocha, que orientou estudantes dos cursos de Turismo, Psicologia e Comunicação Social do início do semestre até o dia do evento.

Tudo começou com um bate papo da professora com a turma, sobre o que iriam preparar como trabalho final da disciplina. Gabriel Mesquita, de 23 anos, compartilhou que a ideia do tema partiu do próprio. “Tiveram várias sugestões, muitas coisas. Eu pensei em algo leve, que eu pessoalmente gosto. Lembrei da minha mãe e prima, que gostam muito do assunto”, dividiu o estudante de turismo. Ele ainda comentou sobre o preconceito que existe no meio, quando se trata de homens com interesse na área. “Arrastamos meu pai para ele ver que não é coisa de outro universo”, e assim se iniciou o projeto.

Durante as quatro horas de viagem astrológica, as palestras vieram com tudo e abordaram temas como Numerologia, Reiki e Astrologia. Assunto de grande interesse de alunos, a regressão a vidas passadas foi apresentada pela Psicanalista Denise de Santi, que dividiu detalhes do processo com o qual trabalha. “São duas técnicas de terapia breve. A terapia de regressão busca algo que aconteceu no passado, um trauma. Já na constelação, buscamos a origem da questão no sistema familiar da pessoa”, contou Denise.

A palestrante destacou a importância de falar para o público universitário sobre seu trabalho, reforçou que ainda há muito tabu na área em que atua e também convidou os alunos a adquirirem tal experiência. Em seguida, conversas sobre outros tópicos importantes do universo astrológico tomaram conta do mini auditório da universidade, enquanto em uma sala do primeiro andar, artistas tatuavam seus desenhos voltados para o tema em diversos estudantes. Também no bosque da UVA, ficaram as vendas de produtos variados como mandalas, bijuterias, orgonite, e óleos essenciais.

Opção não faltou, e quem parou para ver, pôde levar um pedacinho do evento cheio de energia consigo. Nem a prática de tarot ficou de fora! Alunos sentaram e ouviram atentamente o que havia de ser dito. Diante de tatuagens, objetos simbólicos, conversas energizantes e um mundo a ser descoberto, o sucesso do Vênus em UVA iluminou a tudo e a todos. Um evento acadêmico que fez a diferença e trouxe momentos brilhantes para o cotidiano dos universitários. Que os próximos sejam tão prósperos quanto.

Laboratório de Comunicação Interna, Nathália Martiins, 8º período de Jornalismo, Universidade Veiga de Almeida, campus Tijuca

Oficina de Reciclagem busca dar vida nova a brinquedos doados e fazer a alegria de centenas de crianças

No começo de outubro, a “Oficina de Reciclagem de Brinquedos: os ajudantes de Papai Noel” começou a receber brinquedos para doar no natal. Os brinquedos podem ser doados em qualquer estado de conservação, não importa se estão novos, quebrados, sujos ou faltando peças. Também são aceitos livros, gibis e revistas de atividades para crianças e adolescentes, novos ou em bom estado. As doações podem ser feitas no Laboratório de Enfermagem do campus Cabo Frio. O projeto foi criado por Claudia Oliveira, 45 anos, bióloga e professora da UVA. Claudia começou a Oficina há 28 anos, com três kits de brinquedo, as primeiras doações foram feitas em hospitais. Este ano, a meta do projeto é doar 1.100 kits para crianças de comunidades carentes.

Claudia contou que a inspiração para criar o projeto surgiu no primeiro ano da faculdade, no qual ela fez uma disciplina que falava sobre o tempo de degradação de materiais no meio ambiente, e também de um especial que assistiu na TV, que falava sobre um hospital de brinquedos em Araxá, Minas Gerais. “Me chamou atenção o tempo que esse tipo de material demora para de decompor na natureza”, disse. Assim Claudia entrou em contato com o hospital de brinquedos para pegar algumas dicas e começou a fazer os kits para doar. Em 2006 o projeto recebeu apoio da UVA e virou um projeto de extensão do curso de enfermagem, depois disso se tornou um projeto de extensão universitária e continuou a crescer.

Alunos de todos os cursos participam e alguns pegam brinquedos para lavar em casa. Há pessoas que doam, pessoas que ajudam na divulgação, além daqueles que colaboram com o material de limpeza e com material para embalar os kits. Na equipe de entrega são vinte pessoas e a Oficina montada no Laboratório da universidade têm cinco ajudantes, mas no total o projeto conta com mais de cem voluntários. Segundo a criadora do projeto com essa ajuda o trabalho não fica pesado.

Esse ano a oficina de reciclagem conseguiu montar até o momento  45 kits, mas ainda têm brinquedos sendo lavados e doações que estão para chegar. Claudia acredita que a oficina consegue bater a meta de novo esse ano, se as pessoas participarem e doarem. Ela explicou que tem kit que vai com mais de 30 peças. Ano passado foram reciclados aproximadamente 14.500 brinquedos e com essas peças foram montados 1.197 kits.

“Quando o brinquedo chega novo a gente passa só um produto para tirar a poeira, na maioria das vezes passa só um álcool, e às vezes precisa de um degermante, então ele é embalado. Quando chega sujo ele precisa ser lavado, mas tem que ser bem enxaguado, para não deixar resíduo no plástico, no tecido ou na pelúcia”, conta Claudia. Se o brinquedo vier precisando de conserto, se procura fazer uma reposição de peças, se for de tecido, ele é costurado, tudo depende do estado do brinquedo, sempre com uma técnica para fazer a limpeza e a higienização.

Todos os anos o projeto leva o Papai Noel da UVA em uma cidade ou comunidade diferente da Região do Lagos. “A entrega é uma felicidade muito grande, sensação de dever cumprido, de estar fazendo a nossa parte. Não só pelo meio ambiente, porque a maioria dos brinquedos iria para o lixo, mas por poder se sentir útil ao próximo. O projeto tem uma pegada social, de inclusão”, disse Claudia. Ela também acha que a entrega dos brinquedos é uma oportunidade para as crianças brincarem e saírem da rotina.

A doação esse ano vai ser feita em Arraial do Cabo, no Posto de Saúde do Morro da Boa Vista, atendendo as comunidades da Boa Vista, Monte Alto, Fiqueira e Sabiá. O evento vai acontecer dia treze de dezembro. Já os brinquedos para doação vão ser recebidos até o dia oito de dezembro. Se você gostou da iniciativa e quer saber mais visite a página “Oficina de Reciclagem de Brinquedos Os Ajudantes de Papai Noel” no facebook. Participe e doe aquele brinquedo que está sobrando na sua casa para fazer o Natal de outras crianças mais feliz.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Laboratório de Comunicação Interna, Pamela Gonzalez, 7° período de jornalismo, Universidade Veiga de Almeida, campus Cabo Frio

A semana de Design e Arquitetura UVA veio para unificar o mundo das artes nos cursos

Entre os dias 22 e 26 de outubro, o campus Tijuca recebeu A Semana de Design e Arquitetura. Este grande evento anual é organizado pelos próprios alunos em parceria com os cursos, que ofereceram palestras nas áreas de arquitetura, design e moda.

A abertura do evento foi com a palestra Isso é Arte?, com a presença da artista Clarice Tarran, o professor Alberto Cipiniuk e o artista Marco Antônio Portela, que expuseram em suas falas seus caminhos pessoais, entre outras discussões que permeiam o mundo das artes. Em sua fala, o professor Alberto explica porque a arte e o design são tão próximos “ Essa fronteira flexível e porosa entre arte e design se dá porque a arte é uma forma de trabalho mais antiga e o design é mais recente, então toda teoria que o design emprega para explicar como é sua prática e sua forma de trabalho é baseada na teoria da arte”.

Para fechar o primeiro dia, à tarde e à noite, alunos do segundo período do curso de moda realizaram no bosque um desfile com um material inusitado, como papelão, garrafa pet, discos de vinil, talheres de plástico, lixo eletrônico, fitas e fios, baseado na música “Amor e sexo” da cantora Rita Lee. Essa proposta foi realizada para a disciplina projeto de estrutura, moda e volumes, sob supervisão da professora Luisa Tavares, que explica como surgiu essa ideia “A gente tentou utilizar materiais que tivessem uma possibilidade de reciclagem”. Durante toda a semana as peças ficaram expostas no campus.

Este slideshow necessita de JavaScript.

No dia 23, às 19h, os palestrantes Felipe Madeira, Amanda Freitas e Nathalia Borges, contaram um pouco de suas trajetórias de estudo, trabalho e criação de projetos. Uma das dicas apresentadas para os futuros designers é o incentivo a participação estudantil em concursos, fundamental para ganhar mais experiência e prática “É nessa hora que mais percebemos do que somos capazes de realizar diante de dificuldades e desafios, quando a grana fica curta é que a nossa criatividade aflora.” conta Felipe.

A palestra do dia 24, às 9h, contou com a presença do diretor, produtor e criador do Rio WebFest- Daniel Archangelo, a técnica em modelagem e figurinista de peças teatrais- Mayra Vaz e o cenógrafo- Carlos Campos, para falar sob o tema do designer no mercado cultural. Os palestrantes narraram por suas experencias pessoais, que esta área de trabalho é procurada por diferentes especialistas, abrangendo múltiplas possibilidades de emprego e que precisam de muito conhecimento, não só de um campo específico. O cenógrafo Carlos Campos alertou que para se destacar nesse meio é preciso saber fazer tudo que for necessário, para se ter um bom resultado esperado para o projeto, pois um projeto mal executado pode manchar a carreira do profissional. Para Mayra, o fundamental é saber se comunicar com os parceiros de trabalho, “Se não dialogar com todos os envolvidos, o resultado não sairá”.

Durante toda a semana, as palestras sobre assuntos gerais foram realizadas no auditório às 9h e às 11h aconteciam encontros mais específicos para cada curso, divididas em salas pelo campus, como o da arquiteta Cyntia Sabat, com a

palestra “Como ter uma carreira com arquitetura de anteriores”. Em sua apresentação, Cyntia contou todo o percalço que passou desde o início como estudante até os dias de hoje. Além de contar as possibilidades que a arquitetura de anteriores oferece aos alunos, ela também mostrou os programas mais usados atualmente, além de dicas de como montar currículo, uso de redes sociais, contratação de profissionais como assessores de imprensa e fotógrafos para registrar e expor seu trabalho na mídia e como funciona as feiras como a “Morar Mais”. Para o Uva em Foco, Cyntia conta que nunca havia feito uma palestra antes para alunos, e apesar do receio e da timidez a arquiteta resolveu aceitar a proposta “ Eu vou porque são pessoas que estão no nível que já tive e eu não tive o que eles tem, vou explicar direitinho e fazer uma troca”. A resposta dos alunos foi tão gratificante que Cyntia pensa em fazer essas palestras mais vezes.

Durante a tarde aconteciam os workshops que foram programados para atender a demanda dos alunos. As aulas iam de conteúdo específicos, como edição de vídeo, à aulas lúdicas como Conversando e Bordando com Lucília Ramos.

Para finalizar o dia, à noite tinha as palestras com uma temática mais específica para cada público, mas ainda aberta para todos que quisessem participar e conhecer mais sobre.

Além disso, estruturas artísticas foram expostas no piso branco com o tema da feira, Dualidade e no piso preto uma feirinha deu a oportunidade aos alunos conhecer e adquirir trabalhos feitos por expositores convidados, como a da artista visual Giovanna Esppenchutz, “Eu desenhei minha vida inteira, mas só comecei a ver isso como trabalho no ano passado”. Apesar de ser muito tímida, ela explica que teve que vencer essa barreira, e a feira ajudou a dar mais visibilidade ao seu trabalho.

Sob a temática da arte, a semana de design e arquitetura conseguiu reunir em seus mais diversos eventos, a arte que está em seus cursos em suas formas e cores, que se reinventam e estilizam ainda mais o mundo.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Laboratório de Comunicação Interna, Anna Beatriz Ferreira, 6º Período e Andreia Dantas, 7º período de Jornalismo, Universidade Veiga de Almeida, campus Tijuca

III Mostra de Publicidade UVA: uma oportunidade para saber como iniciar no mercado de trabalho

Um evento realizado por alunos para os alunos, com a mentoria da Prof. Ana Cristina. Este ano, a III Mostra de Publicidade UVA reuniu palestrantes de diversas áreas da Publicidade e garantiu a possibilidade de troca de experiências, agregando conhecimento a todos que participaram.

O mercado de trabalho está cada vez mais competitivo e exigente, o desespero bate na porta e diversas oportunidades são perdidas pelo simples medo de tentar, como disse a Prof. Claudia Elias. “Não basta ser bom, não basta ser criativo. Você precisa ser o gestor da sua carreira. Às vezes você vai iniciar servindo cafezinho e através dessa oportunidade você vai crescer lá dentro e conquistar o cargo que mais sonhou”.

A produção desse evento serve como uma bagagem de experiência para todos os alunos envolvidos. É uma oportunidade para colocar no portfólio, que hoje se tornou essencial para a construção de uma carreira no ramo da publicidade. As agências não contratam sem nenhum material, mesmo que seja um portfólio apenas com trabalhos acadêmicos, o importante é colocar ideias no papel, e mostrar um bom conceito criativo.

O portfólio é onde você precisa mostrar um pouco quem você é, demonstrar a sua identidade e os trabalhos que foram produzidos por você. Procurar ser uma pessoa atualizada com as tendências do mercado e possuir uma linguagem diversificada também fazem a diferença na hora da apresentação.

Criar um bom portfólio não é uma tarefa fácil, porém vale o esforço para conseguir aquela vaga tão sonhada. Por isso, na análise de um portfólio de um estudante, é levado em consideração o seu potencial criativo. Ou seja, tudo bem se suas ideias não foram para a rua, o ideal é produzir, pesquisar e colocar em prática. Quanto mais ideias você vive, logo você irá criar um repertório e desenvolver seu diferencial.

Não tenha medo de bater na porta das agências. Entre em contato com as agências que você conhece, agende uma entrevista com o diretor de criação ou com o redator. Insista, não desanime se ganhar um ‘’não’”. Grande parte dos convidados tiveram seus portfólios menosprezados, entretanto conseguiram uma vaga para iniciar sua carreira e ali crescer.

Mostrar interesse é um fator crucial para se desenvolver na empresa. Fazer além do que foi solicitado pode ser a chance de ser notado. Os profissionais gostam de poder transmitir suas informações, então não tenham medo de perguntar e de errar, é assim que, no futuro, poderá se orgulhar do que foi feito anteriormente.

Como conta a aluna do curso de publicidade, do 8° período, Larissa Siqueira, que colocou a mão na massa desde do começo do semestre para ajudar na construção de toda a Mostra. ‘’Nós dormíamos e acordávamos pensando nisso, cuidamos de cada detalhe para o conjunto da obra sair como esperado. O resultado foi surpreendente, tanto para o público quanto para os convidados”.

Larissa e outros alunos envolvidos na Mostra pretendem trabalhar no futuro com produção de grandes eventos, então nada melhor que começar praticando dentro do universo acadêmico, não é?

Laboratório de Comunicação Interna, Ashelley Brenda 7° período de jornalismo, Universidade Veiga de Almeida

Apoio: Agatha França, 6º período, e Luisa Nascimento, 8º período, curso de Publicidade, Universidade Veiga de Almeida – campus Tijuca.

18º Fórum de Marketing da UVA coloca em pauta as mudanças trazidas pelo Marketing Digital

O 18° Fórum de Marketing, realizado na Universidade Veiga de Almeida, campus Tijuca, ocorreu entre os dias 22 e 23 de outubro e teve como tema “Marketing Digital – mudando gerações”. O evento contou com grandes nomes atuantes na profissão, além de youtubers, que falaram um pouco de suas trajetórias de vida até entrarem no mundo em que vivemos atualmente, a internet.

De acordo com estudos feitos pela agência We are Social e pela plataforma Hootsuite, apresentados pelo palestrante Christian Bernard, Publicitário e CEO do perguntando.com, o brasileiro fica aproximadamente 9 horas por dia na internet e apenas nas mídias sociais o tempo equivale a 3 horas do dia. “É necessário entender que o mundo mudou após a web 2.0 e mais ainda na web 3.0. Nós somos o terceiro país em que mais se utiliza a internet”, disse Christian.

E uma das plataformas que ajuda e muito a elevar todo esse tempo em que passamos conectados é o Youtube. Para contar um pouco da experiência vivida na plataforma e como funciona as parcerias, foram convidados três youtubers. Maicon Santini, Ator e Publicitário; Calor Eduardo, Geógrafo; Silvio Boia, formado em T.I.

O dono do canal que leva o próprio nome “Canal Maicon Santini”, acredita que a internet tem espaço para todos, mas é importante que as pessoas sejam originais, pois é um dos muitos fatores que fazem a pessoa se destacar, mesmo que gradativamente. “Hoje na internet não importa só os números e sim a rede de pessoas que se acaba criando, em que se leva confiança, amizade e intimidade. A relação que tenho com meu público tem que ser a mesma com um amigo”, disse Maicon.

Já Carlos Eduardo, do canal CorreCadu, contou como surgiu o canal, em que além de mostrar suas corridas, também conta a história do local em que está exercendo a atividade. “Tudo iniciou-se quando participei de uma promoção para correr gratuitamente em Berlim. Acabei não vencendo. Mas com isso descobri que o pessoal me conhecia por estar sempre nas corridas, foi então que decidi dar início ao projeto. E hoje corro a maioria das vezes sem pagar nada, só sendo convidado pelas organizações, graças a influência que a internet nos dá”.

O tema da palestra da Coordenadora de Marketing da Appai, Bianca Martins, foi sobre micro influenciadores. Para a publicitária, o profissional que atua com investimentos junto aos micro influenciadores devem ser calculistas e frios a todo o tempo. “A internet não permite errar muito e quando a verba é pequena a chance diminui mais ainda. Não basta entender qual é o seu público, e sim como ele se comporta na internet. Para se investir é essencial saber isso”.

Além das palestras, o 18° Fórum de Marketing teve a experiência com óculos de realidade virtual, caricatura, além do som do DJ Papel e a apresentação ao vivo da cantora Julia Cascon.

Laboratório de Comunicação Interna, Jonathan Assumpção, 7º período do curso de Jornalismo, Universidade Veiga de Almeida, campus Tijuca.

Curso gratuito na UVA sobre a vida e obra dos artistas Van Gogh, Lautrec e Gauguin!

No dia 25 de outubro, quinta feira, começa na UVA do campus Tijuca o curso “O imaginário estético de artistas rebeldes e solitários: Vida e obra de Van Gogh, Lautrec e Gauguin”, ministrado pelo professor Paulo Sergio Alves. O professor, se considera e também demonstra em cada palavra e atitude, ser apaixonado pelas artes plásticas, em especial pela pintura.

Paulo Sergio tem uma longa história dentro da Universidade Veiga de Almeida e queria retribuir toda empatia e carinho que recebeu da universidade. Juntando isso ao amor pela arte, decidiu que ira criar cursos gratuitos. Ele já realizou um no primeiro semestre deste ano sobre pintura histórica e tem mais dois pensados para o futuro, além do que se inicia agora.

O deste semestre tem como objetivo propor aos alunos uma reflexão sobre os pintores Vincent Van Gogh, Henri de Toulouse-Lautrec e Paul Gauguin, considerados rebeldes e originais em vida, sendo negados primeiramente e depois aclamados. “Nesse curso, eu vou falar dos três grandes pintores que eu, particularmente, sou apaixonado. Gosto de todos pintores e correntes estilistas, mas esses três artistas são únicos. Foram artistas rebeldes, solitários e intuitivos, por isso os escolhi” explica o professor.

As aulas irão acontecer do dia 25 de outubro até 8 de novembro, às terças e quintas, às 13. Além de mostrarem obras e características artísticas dos pintores, também contarão a história de vida de cada um. O professor conta que suas aulas são um pouco diferentes: gosta de soltar provocações aos alunos e promover uma interação. “Se apaixonar diante de uma obra de arte, é essa satisfação que eu tento passar aos alunos” conta Paulo Sergio.

Se interessou pelo curso? Corre que são os últimos dias de inscrição!

https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSftgLbFLjrejBntZggi5FFiPmKjoabw_mE9M5cjYRaKcc55Mw/viewform

 

Laboratório de Comunicação Interna, Rute Rocha Lobo, 7º período de Jornalismo, Universidade Veiga de Almeida – Campus Tijuca